• DePropósito Comunicação

Nova plataforma on-line avalia políticas de bem-estar animal de empresas de carne suína


Publicada pela ONG internacional de proteção animal Sinergia Animal nesta segunda-feira, 26, a plataforma online Porcos em Foco: Monitor da Indústria Suína Brasileira avalia o posicionamento e as diretrizes sobre bem-estar animal de empresas da indústria de carne suína no Brasil. Com o objetivo de fornecer maior transparência aos consumidores, a plataforma apresenta um sistema de avaliação em forma de ranking com nove das mais significativas empresas do setor no país. São elas: JBS, BRF, Aurora, Pamplona, Frimesa, Pif Paf, Alegra, Alibem e Master Agroindustrial.

“Por meio da plataforma, os consumidores podem comparar a pontuação entre diferentes empresas e tomar decisões mais conscientes sobre o que querem consumir. Além de ser um direito garantido pelo Código de Defesa do Consumidor, essa transparência já é uma demanda do público. Segundo estudo realizado pela World Animal Protection, 82% dos consumidores brasileiros declararam ter interesse em comprar produtos certificados em bem-estar animal”, afirma Taís Toledo, gerente de engajamento corporativo da Sinergia Animal. Até agora, nenhuma das empresas obteve pontuação máxima no ranking.

O intuito da ONG é que as empresas adotem compromissos transparentes e rastreáveis de bem-estar animal para acabar com as práticas que resultam em maior sofrimento aos animais.

A tendência livre de gaiolas

Dentre as práticas da indústria sobre as quais a Sinergia Animal pede melhores diretrizes às empresas e que são usadas como critérios na Porcos em Foco, estão o banimento do uso de gaiolas de gestação para porcas grávidas, da mutilação sem gestão da dor, do uso de antibióticos em animais saudáveis, entre outras.

"Os porcos são animais muito inteligentes e sociáveis, e essas práticas os submetem a uma vida de sofrimento e dor. No confinamento extremo imposto pelos sistemas de gaiolas de gestação, por exemplo, as porcas não conseguem sequer se virar e sofrem uma série de problemas significativos de bem-estar, incluindo risco elevado de infecções do trato urinário e ossos enfraquecidos”, diz Toledo. Por conta das controvérsias acerca da prática, países como Alemanha, Holanda, Reino Unido, Suécia e outros proíbem ou regulam o uso contínuo de gaiolas de gestação para porcas em suas cadeias de produção.

“No ano passado, a Comissão da União Europeia (UE) se comprometeu a aprovar a proibição da criação industrial de animais em gaiolas até 2027, a medida deverá afetar também a produção brasileira, já que os produtos exportados para a UE deverão cumprir as novas normas”, conta Toledo.

Problemas de saúde pública

“Outra prática que pedimos que seja banida pelas empresas é o uso não terapêutico de antibióticos, ou seja, em animais que não estão doentes. Na indústria de carne suína, é comum que porcos recebam antibióticos não para tratar uma doença, mas na tentativa de preveni-la. Essa prática contribui para o surgimento de bactérias super resistentes, que podem acabar contaminando os solos, os rios e os alimentos, e finalmente as pessoas, gerando um problema grave de saúde pública”, explica Toledo.

Atualmente, segundo a Organização Mundial da Saúde, bactérias super resistentes matam 700 mil pessoas a cada ano e podem matar até 10 milhões de pessoas anualmente até 2050. O Brasil está entre os três maiores consumidores de antibióticos na produção pecuária mundial, junto com China e Estados Unidos. Para saber mais sobre a plataforma Porcos em Foco, acesse www.sinergiaanimalbrasil.org/porcos-em-foco.

Sobre a Sinergia Animal A Sinergia Animal é uma organização internacional que trabalha em países do Sul Global para diminuir o sofrimento dos animais na indústria alimentícia e promover uma alimentação mais compassiva. A ONG é reconhecida como uma das mais eficientes do mundo pela renomada instituição Animal Charity Evaluators (ACE).


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square